Grupo Recreativo «O Vigor da Mocidade»

90 Anos de História

VIGOR – 3 / LAGARES DA BEIRA – 0

Campeonato Distrital da AFC - Divisão De Honra – 3ª Jornada

Complexo Desportivo do Vigor da Mocidade

Equipa de Arbitragem: Eduardo Ramos, auxiliado por: João Veiga e André Paixão do Conselho de Arbitragem da AFC.

 

Vigor: Manú; Diogo Baptista (cap.) (Tomás Cruz - 86’), Carlos Santos, Pina e Marcos; Samuel; Hugo Amado, Joel (Rafa Madeira – 67’), Sena; Henrique (JP -78’) e Fachada (Matos – 86’).

Suplentes não utilizados: João Cruz;

Treinador: Rafael Silva.

Amarelos: Joel (56’)

 

Lagares da Beira: Óscar; Carlos, Varela, Nuno e David (Hélder- 82’); Dominique (cap.), Alexandre, João Pedro (Paulo Silva – 75’), Hélio, Richard (Ronaldo -68’) e Ivan.

Suplentes não utilizados: Vítor; Rui Lopes e João Pinto.

Treinador: Pedro André.

Amarelos: Dominique (47’), Ivan (55’), Carlos (60’), e Nuno (85’). Vermelho: Carlos (60’)

Golos: Sena (2’), Fachada (68’) e JP (91’).

 

Ao fim de oito meses, e pela manhã, a redondinha voltou a rolar no complexo desportivo do Vigor da Mocidade inaugurando o novo piso sintético, sem a presença do caloroso publico, condimento fundamental para abrilhantar o espetáculo.

O Vigor não podia ter começado da melhor maneira, Henrique aos 2’ fez pressão junto do lateral esquerdo do Lagares da Beira, quando parecia que a bola ia sair pela linha lateral Henrique ultrapassou um adversário ganhou a bola e fugiu até à linha final onde cruzou para Sena, que surgiu isolado ao segundo poste, encostar para o fundo das redes. Estava feito o primeiro. O Lagares não demorou a reagir, conseguiu ter mais posse de bola criando algumas dificuldades no miolo do terreno dos anfitriões. Os homens da serra deixaram o primeiro aviso aos 12’ através de um pontapé do “meio da rua” com a bola a sair rasteira ao lado do poste direito da baliza de Manú. Aos poucos o Vigor consegui acalmar a sede dos visitantes controlando o jogo, contudo sem criar oportunidades de golo. O Lagares fazia pressão alta nas saídas de bola do Vigor. O sector defensivo do Vigor sem sobressaltos fazia boa gestão do jogo circulando a bola pelos homens mais recuados, causando algum desgaste ao sector ofensivo do Lagares, originando alguma agressividade, entradas mais duras por parte dos forasteiros na disputa de alguns lances, de registar nesta metade doze faltas cometidas pelos visitantes.

Na segunda metade as equipas entraram com a mesma atitude. O Vigor por intermédio de Marcos rematou cruzado aos 50’ com a bola a sair fraca ao lado da baliza de Óscar. O Lagares da Beira, respondeu de imediato com uma “bomba” de Ivan aos 51’ obrigando Manú a brilhar ao fazer a defesa da manhã ao defender para canto uma bola que levava o selo de golo. Nos primeiros quinzes minutos da etapa complementar o Lagares da Beira esteve por cima e criou alguns calafrios aos homens de Rafael Silva que viram Manú rubricar três boas intervenções

negando o empate. Iam decorridos 60’ quando o defesa Carlos do Lagares da Beira fez falta sobre Fachada, com o árbitro a punir a entrada dura com a cartolina amarela, o jogador nas barbas do árbitro entrou em diálogo com o treinador do Vigor e teve ordem de expulsão. A partir daqui o rendimento dos forasteiros baixou, e pior ficou quando volvidos poucos minutos, aos 68’ Hugo Amado na cobrança de um pontapé de canto descobriu Fachada na área do Lagares colocando a redondinha com conta peso e medida para este cabecear fazendo o segundo da partida. Mesmo reduzido a 10 unidades e a perder por duas bolas a zero os homens da serra nunca baixaram os braços na procura do tento que os relançasse na partida, só que do outro lado estava uma defesa bem coesa que não permitiu tal façanha. O Mister do Vigor, atento, refrescou a sua equipa com entrada de três atletas, dois ainda juniores que deram mais profundidade à equipa, fruto disso o Vigor chegou ao terceiro, já em período de compensação aos 91’, numa arrancada do lateral esquerdo Marcos pelo corredor esquerdo com este a cruzar tenso para o jovem lateral direito JP “fuzilar” o desamparado guardião Óscar, fixando o resultado final em três zero. O Lagares da Beira pela sua prestação merecia pelo menos o tento de honra, demonstrou que vai ser uma equipa “chata” e com muita qualidade. Arbitragem aceitável.


Últimas Notícias